3 anos seguidos de déficit, já pode pedir música no Fantástico


led

Tudo parecia simples. Um estádio, que custaria 300…420….820 e hoje 1.6 bi… milhões seria pago com a seguinte equação.

Terreno= zero, já tinha.

Naming Rights = 400 milhões

CID’s= 420 milhões

Acabou a conta, que poderia ser feita no 1° grau, aluno do 2° ano.

Mas comprar coisas é mais complexo.

Um carro por exemplo, nós temos diversos modelos, tem automóvel 1.4 a R$ 39.900 e tem 2.0 a R$ 89.000,00

Quando você vai comprar algum bem, você olha seu orçamento e vê se as parcelas cabem.

Exemplo:

O Sr. Mário Roberto da Silva Sanchez quer comprar um carro, da marca Chevrolet, um Cruze 1.8. Ele ganha 2 mil por mês, a parcela só pode ser de 600 reais (30% diz qualquer economista da esquina) mas tem que incluir na conta o seguro, ipva, gasolina (afinal ele pegava metrô que vive dando pau e a linha não expande nunca)…. o total da parcela na loja da R$ 1.200,00…. não cabe, deu 60% do orçamento, como ele vai almoçar, pagar a luz, gás, ir no mercado?

Ai ele vai na loja de carro usado e acha um Celta 2005. A parcela com seguro e tudo da R$ 499,00. Além disso a loja da IPVA grátis no 1° ano. Que maravilha.

Ótima escolha, é o que ele PODE comprar, sai feliz e o Celta 2005 fará a mesma porcaria de coisas que o Cruze 2017 faz, ele tem volante, 4 rodas, motor e o levará para seu trabalho, vamos dar de exemplo o bairro do Tatuapé, ali na marginal.

O carro te transporta, a casa você mora e o estádio você joga bola e assiste os caras jogarem..

No fundo é isso, óbvio, o resto é perfumaria….o clube quis perfumes e luxos que não era necessário e pior….

O Corinthians queria um estádio, construiu, NÃO TINHA RECEITA, era algo que estava por vir.

O Sr. Mário Roberto da Silva Sanchez do exemplo ainda tinha 2 mil por mês.

A construtora boazinha, e isso ninguém escreveu por ai, foi super boazinha, chamada de parceira, fez tudo e o clube só olhava, o Corinthians não deu um sinal se quer, tudo foi sendo feito, o $ do BNDES não saia e a obra em ritmo acelerado.

Foi a 1°  obra, sem sinal, que não parava nunca.

O CID’s teve uma briga enorme para aprovar na Prefeitura, porém apos a aprovação não veio cheque, tinha que vender a papelada.

O Naming Rights parecia que era questão de 15 dias.

Agora de 820 milhões a obra, já refinanciada, tem um custo que parece ter dobrado.

Não se fala dos empréstimos “pontes” que a famosa construtora fez porque o $ do BNDES demorou para sair. Jajá essa conta também chega.

Os pagamentos são feitos com a bilheteria.

Ou melhor, com o que sobra da bilheteria.

E finalmente aqui começa o post em si, aonde eu queria chegar.

(ta longo, desculpem, mas jajá acaba)

Qualquer imóvel da despesa.

Tem prédio que o condomínio é 400 reais, e outros 4 mil reais por mês. Carro é igual, o seguro do Celta é menor que do Cruze.

Depende do imóvel, as despesas são diversas, e na arena mais do que nunca.

Água, oras…hoje em dia reaproveitar água é fundamental em qualquer projeto de arquitetura moderno, e caro como da Arena, imagino ( e espero) que toda aquela água das coberturas caras da Arena captam, poderiam ir para um reservatório e ser usada por exemplo nos vasos sanitários dos banheiros, em uma rede separada da sabesp, serviria para lavar o pátio, irrigar gramado ou outros locais sem consumo humano…de graça…diminuindo as despesas.

E luz…ah luz é uma grande despesa..pois bem, não é que ontem  sai a notícia que o fundo que administra a Arena resolveu… SÓ AGORA…trocar as lâmpadas.

SÓ AGORA! depois de 3 anos torrando $ de um estádio que não sabem o preço e já refinanciado, com auditória pra saber o custo de fato.

E no projeto? Como que no projeto luminotécnico tal lâmpada foi especificada e comprada?

Quem do clube acompanhou a obra? E ali naquele momento tinha que dizer: “ESSA LÂMPADA NÃO”.

Do clube só ia pra tirar foto, se alguém, de fato, olhasse planilha por planilha, teria barrado isso na raiz.

La no início do nosso século tivemos o apagão, na época todos trocaram suas lâmpadas incandecentes, aquelas quentes, que duravam pouco, viviam queimando,  de 100 watts pelas florescentes de uns 20 a 40w +-.

Era estranho, porque no começo só tinha tom de branco, as salas e quartos das casas no Brasil pareciam banheiros ou cozinhas, pois eram só nesses ambientes que se usava lâmpada fria.

Com o tempo vieram as amarelinhas, ufa.

O tempo passou e chegaram as de LED, com 5 ou 10w ela ilumina mais, gasta muito menos e dura muitos anos.

Todo mundo sabia.

Menos os autores do projeto da Arena, menos o fundo que a administra.

Álias, quem é, nome a nome, o “staff” que cuida das contas da Arena?Existe essa lista?

4 anos torrando $ assim?

Não é de se assustar, afinal cadê o Naming Rights? Cadê as Cid’s?

Com o time vendendo jogador pra paga parcela, os caras não cuidam nem da lâmpada.

Continuando desse jeito, jajá o Corinthians voltará a luz de velas, ou melhor, ao lampião, e foi de baixo dele que o clube surgiu, de maneira humilde, sem a frescura que la foi colocada.

Não precisava nada disso, um estádio mais simples, mas também com 40 mil pessoas de capacidade poderia ter sido feito com custo menor.

Até com o $ da bilheteria poderia usar, temos diversos estádios por ai exemplos disso.

Mas as pessoas que cuidam do clube contaram com um $ que não tinham.

Compraram o Cruze, e não o Celta. E esqueceram que tinha conta pra paga, tipo salário de jogador, departamento de bocha, natação….

O clube vai entrar no 3° ano seguido de deficit, e nem das lâmpadas cuidavam.

Os 3 últimos presidentes tinham que estar no fantástico domingo, juntinhos, pedindo música.

Anúncios

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: